Teens - Despedida de solteira. - Contos Eróticos

Contos Eroticos

                   

Pesquisa Rápida


Receba os Contos Eróticos Picantes no seu Email

Insira o seu Email:

Patrocinado por FeedBurner

Despedida de solteira.

Ver todos os Contos Eróticos de Delute

Referência (ID): 556
Estávamos todos indo a um lugar chamado corredeira, eu minha família, pai, mãe e irmão, a família de meu tio, ia também minha tia, o tio e as duas filhas dele, uma de 18 anos e uma de 16, chegamos a um local onde havia uma corredeira e a água desembocava em um poço de uns 100 metros de largura, onde se formou uma praia, de areia branquinha e limpa, eu já entrei imediatamente na água, de dentro da água eu fiquei observando minha prima de cabelos longos e loiros, retirar seu shorts, e mostrando uma tanguinha de cor branca, que mal escondia sua bocetinha carnuda, sua bundinha empinadinha e bem branquinha, lizinha e aveludada, ela retirou a camiseta e mostrou seus seios redondos e firmes seguros por um biquíni também branco, ela entrou na água e após varia brincadeiras, nos dois fomos subindo brincando, até chegar a uma corredeira forte que formava uma cascata, entramos debaixo da queda da água e a parte de cima do seu biquíni saiu deixando a mostra seus peitos maravilhoso, estávamos longe dos outro e ela não ficou envergonhada, apenas pediu para que eu ficasse na sua frente tampando a visão dos outros, e arrumou o biquíni, eu por minha vez não tirava os olhos de cada movimento dela, e daqueles lindos seios, ela olhou para mim e disse, gostou? Eu na hora respondi que sim, então brincamos um pouco ali, e fomos atravessando o rio até chegarmos a uma espécie de ilha, onde havia varia pedras enormes formando cascatas, que caiam em pequenos poços entramos em um desses poços, notei que havíamos ficado fora da vista dos outros, que estavam na praia, atrás de nos o rio, e logo na margem, um paredão de pedra e a mata, ficamos dentro da água conversando, nos havíamos vindo à casa dela, porque ela iria se casar no dia seguinte, e a família toda estava ali, ela dizia pra mim que não estava preparada para o casamento, e que agora era muito tarde para voltar atrás, ficamos brincando ali e ela veio e me abraçou, pensei que era um abraço de amigos mas ela chegou seus lábios bem próximo ao meus se oferecendo não resisti e a beijei , comecei a chupar seu lábios inferiores, e depois os de cima, enfiei minha língua em sua boca, a caça de sua, quando tirei minha língua, ela colocou a sua na minha boca, e eu chupei aquela linguinha macia ,senti que ela tremia , eu ergui seu biquíni deixando seus peitos redondos e firmes a mostra, os biquinhos rosadinhos bem pequenos, dava uma beleza a mais naqueles seios, eu os chupei com volúpia e sofreguidão, ela tremia toda, desci minha mão a sua chaninha por cima da tanguinha, passei os dedos entre os lábios daquela bocetinha gordinha, como não houve nenhum empecilho por parte dela, eu coloquei a mão por dentro da tanga e procurei o clitóris, comecei a bolina-lo, desci o dedo ao seu canalsinho, e enfiei o dedo estávamos dentro da água e dentro daquela bocetinha, senti que estava quentinho e molhadinha, ela levou a mão ao meu pinto tirando ele do calção qual já estava duro que nem uma pedra, suspirou dizendo, nossa é bem grande, e com seus dedinhos delicados começou a aperta-lo e a masturba-lo, ficamos nos masturbando dentro da água até que não aguentado mais a tesão, e com uma vontade doida de possuí-la e ela de receber aquele pinto de 19 cm dentro de sua bocetinha, saímos da água e Subimos em uma pedra de onde dava para observar o pessoal nadando do outro lado do rio, sem que eles vissem o que estávamos fazendo, ela ficou de costa para mim vigiando se vinha alguém, e eu retirei sua tanga para o lado e fui colocando meu pinto, primeiro a cabeça entrou, e senti como estava úmida e quente, fui forçando e meu pau foi deslizando com dificuldade, naquela bocetinha apertada , cheguei a sentir seu útero quando a cabeça do pinto encostou no final do seu canal vaginal, ela gemia de prazer, poderia até gritar que ninguém a escutaria, porque o barulho da água encobriria qualquer som que fizesse, eu bombava aquela xaninha num vai e vem louco, ela rebola e gemia, enfiei a mão em seu clitóris e o massageei ela tremeu toda gozando, eu não parei por um momento, e continuei a meter o pinto dentro dela, até que senti que ela teria outro orgasmo e sua bocetinha começou a apertar,meu pinto em contrações, indicando um outro orgasmos esse mais violento e eu acelerei o ritmo, para que junto ela gozasse-mos, ela estremeceu e soltou grunidinhos de que estava gozando, dizendo para que eu não parece, e que a preenchesse eu obedeci e bombei cada vês mais rápido, enchendo seu canalsinho de porra, não parei e continuei bombando, até que ela parou de gemer, e ficou em silencio.
Voltamos ao poço para se lavar e recompor , nos beijando como loucos, saímos dali e ficamos no canal mais ao meio da corredeira onde todos pudessem nos ver , e não desconfiasse de nada, porque ficamos um bom tempo fora das vista deles, minha prima olhou nos meus olhos e disse, que se casaria amanha mais só eu poderia mudar isso, eu entendi o que ela disse, mais não falei nada, nos atiramos a água e fomos nadando até onde estava o pessoal.
Ficamos ali nadando um bom tempo, alguém estava assando carne e linguiça, fomos até la e comemos tomamos refrigerante, e depois saímos andando por uma ponte e fomos te uma serraria desativada, ela funcionava com força da água e havia um canal desativado e um paredão feito de pedra, dissemos que iríamos até La para ver, ninguém nos acompanhou e fomos só nos dois, chegamos ao paredão e fomos andando ao lado dele, até chegar em um local onde havia varias arvores imensas, entramos no meio delas e mal chegamos em baixo de uma começamos a nos beija, deitamos nas folhas e eu fui descendo chupando seus peito que retirei de dentro do biquíni e continuei lambendo ela, ate chegar em seus pentelhinhos , desamarrei , sua tanguinha, e deixei aquela bocetinha de pentelhinhos amarelinhos, bem na minha frente, com dois dedos eu abri seus lábios deixando aflorar seu glelinho o qual coloquei na boca e comecei a chupar, ela erguia o corpo e com as mão na minha cabeça puxava de encontro a sua bocetinha, fiquei chupando um pouco mais e virei meu corpo oferecendo a ela meu pinto, ela sem cerimônias começou a chupa-lo, sentia que ela colocava todo ele na boca, como querendo engoli-lo, como estava chupando sua bocetinha, agora eu estava por cima dela, e o liquido que saia de sua xaninha, descia para seu cuzinho no qual fui primeiro colocando a ponta do meu indicador, até passar o primeiro nó do dedo, e fiquei massageando enquanto chupava seu glelo, ela sentiu mais prazer ainda quando fiz aquilo, então coloquei dois dedos, ela relaxou o cuzinho, para que entrasse mais, soquei até o fim dos dedos , depois coloquei três dedos, achando que seu cuzinho estava bem laceado, eu sai de cima dela e fiquei a sua frente, com o cassete em riste, apontando aquela entradinha do cuzinho, fui forçando a entrada com meu pau, e ele foi deslizando até ficar só com as bolas de fora,ela gemia e se contorcia , e eu enfiava fundo, quando estava quase gozando naquele cú, eu parei subi em seu corpo e coloquei meu pinto no meio dos seus peitos, e os apertei começando a meter entre eles, e ela com a boa chupava a cabeça dele, a cada vez que ali chegava, depois fui ate sua boquinha e coloquei quase todo o pinto dentro dela, ela chupava feito uma doida, voltei então a atenção a sua xaninha, e a coloquei com as pernas bem erguidas fazendo-a segurar elas puxadas junto a seus peitos, eu tinha agora a visão de um cuzinho e uma bocetinha bem a minha frente, introduzi meu pinto até o saco, de uma só vez, naquela bocetinha, arrancado um gemido bem alto dela, e comecei a bombear aquela bocetinha molhadinha, e cada vez mais rápido, retirei da boceta e enfiei em seu cuzinho, sem aviso e fiquei alternando de buraco, retirava e enfiava até os grãos na bocetinha, e depois fazia o mesmo com aquele cuzinho, ela gemia ofegava e mordia os lábios para não grita, até que disse que não aguentava mais gozar, eu dei mais umas bombeadas em sua bocetinha, e enfiei tudo no cu dela enchendo ele de porra quente , ela soltou as perna s e eu cai sobre as pernas abertas, com o rostos naqueles lindos seios e achei sua boca beijando-a sem parar, ao colocar a tanga eu vi sua bocetinha estava vermelha e inchada pensei comigo, o que iria dizer o noivo amanha na lua de mel, quando visse aquela bocetinha inchadinha de tanto meter, bom isso é um problema que eles que resolvessem, porque alias em vida de casal, melhor não se envolver, fomos embora.
No outro dia foi o casamento dela, e ela estava linda de noiva, queria comer ela vestida de noiva, pensei quando estava dentro da igreja, na festa na hora de cumprimentar os noivos, ela me falou no ouvido, você me deixou casar mesmo, eu só respondi me desculpe, e sai tomar uns chopes, na festa que iria durar a noite toda, e eu já tava de olho em uma gatinha, irmã da noiva de 16 anos, que estava me olhando e dando mole.. Bom, essa é outra estória.
Contato:
é necessário estar logado para enviar uma mensagem ao autor do Conto Erótico. Registe-se, é gratuito.
Despedida de solteira.Despedida de solteira.

Comentar


Código de segurança
Actualizar

Caminho:

Últimos Comentários

  • Me chame no whats 0 sou novinha mas gara... Mais...
  • Nossa MT gostoso seu conto . gatas me ch... Mais...
  • adorei mesmo acredita assim e que e. a m... Mais...
  • Heʏ there! This is my fіrst vosit to yοu... Mais...
  • analfabeto Mais...
  • Pah se fores corno manso deixa rolar mas... Mais...
  • Me add pf eu quero falar com vc e ter um... Mais...
  • Muito bom...mas há algumas divergências ... Mais...
  • Meu whatssap. Mais...
  • Gostei.... Mais...