Teens - na volta da escola - Contos Eróticos

Contos Eroticos

                   

Pesquisa R√°pida


Receba os Contos Eróticos Picantes no seu Email

Insira o seu Email:

Patrocinado por FeedBurner

na volta da escola


Referência (ID): 29
meu nome é paulo hoje tenho 23 anos, mas o que vou relatar aconteceu quando eu tinha 16. estudava em uma escola particular da zona sul do rio, todo dia no final das aulas eu ia para casa na condução da escola, uma van com vidros escuros. era um longo trajeto, o motorista ia deixando um a um em suas casas, a maioria na zs mesmo, porém eu morava na barra/zo (para quem não conhece, é um pouco longe, ainda mais com transito), após despachar todos os moradores da zs, seguíamos para barra, alem de mim haviam duas garotas que também moravam lá, eram as irmãs claudia, com 15, e flavia, com 13.
normalmente no caminho para barra, como só tinha nós três além do motorista, cada um se esticava em uma fileira de bancos e dormia, com o transito, era uma boa dormida de uma hora e meia a duas horas.
a van tinha um problema com o som, pois só funcionavam as caixas de frente, nos lados do motorista, e como sempre pedíamos para aumentar, mesmo enquanto dormíamos, a musica ficava muito alta para o motorista impossibilitando que ele ouvisse qualquer coisa que viesse dos passageiros.
o fato...
comecei a notar que flavia sempre se esforçava para sentar ao meu lado quando entravamos na van, quando não conseguia ficava de cochichos e risadinhas com sua colega de classe que também ia com agente, isso foi durando e fui tendo a certeza de que era comigo.
flavia era linda, lourinha dourada, do tipo magrinha, mas com belos seios que apesar de ainda estarem em formação eram lindos como duas pêras, suas pernas eram lisinhas com ralos pelinhos dourados, uma pequena deusa de deixar qualquer marmanjo louco, porém nunca dei muita bola, pois era mais velho e tinha namorada. sua irmã claudia já era do tipo carnuda, com um belo par de coxas, lidos seios e bunda, toda proporcional como tivesse sido esculpida, e as duas tinhas belos olhos verdes.
um belo dia, agente tinha acabado de deixar o ultimo morador da zs e nos ajeitamos para dormir, neste dia claudia estava na primeira fileira, bem atr√°s do motorista, eu na ultima, l√° no fundo e flavia na pen√ļltima. o ar-condicionado estava muito forte, e flavia estava morrendo de frio, pois estava de sainha e top, bem var√£oapesar de ser inverno, por√©m claudia dizia estar com calor, se iniciou uma breve discuss√£o entre as duas, como sempre flavia perdeu e o ar continuou no m√°ximo. passaram-se uns dez minutos e eu ainda n√£o havia ca√≠do no sono quando vi a flavia se levantar, conferir se a irm√£ estava dormindo e vir falar comigo. alegava estar com muito frio, o que era verdade pois seus mamilos quase furavam seu top e suas pernas estavam arrepiadas, n√£o encontrei uma solu√ß√£o para ela, ent√£o ela pediu para se deitar comigo. flavia era do tipo ing√™nua e carinhosa, sempre com brincadeirinhas e caricias inocentes, o que me fez acreditar que n√£o havia maldade na id√©ia dequele avi√£ozinho. aceitei seu pedido, como o banco √© estreito, me virei de lado com as costas no encosto e ela se deitou a minha frente de costas para mim. com nossos corpos estavam totalmente encostados, meu peito em suas costas minhas coxas em suas coxas e meu pau em sua bunda, me esforcei ao m√°ximo para n√£o ficar exitado. um de meus bra√ßos estava sob sua cabe√ßa e o outro estava perdido sobre meu corpo, at√© que ela falou - ainda estou com frio, me abra√ßa! ‚Äď a√≠ meu esfor√ßo redobrou, mas de repente ela pegou meu bra√ßo, que agora estava na sua barriga, e levou minha m√£o at√© seu rosto, com meu ante-bra√ßo ficando entre seus pequenos seios, meu esfor√ßo foi por √°gua a baixo, meu pau ficou duro e em alguns segundos estava como tora encostado naquela bundinha. ela brincava com meus dedos onde apoiava seu rosto passando-os em sua face, foi a√≠ que ela come√ßou a mecher bem devagar sua bunda a pressionando sobre meu pau, o ritmo foi aumentando e a for√ßa tamb√©m, ela come√ßou e gemer bem baixinho, acho que ela mesmo n√£o percebeu, a essa altura ela j√° rebolava, ent√£o resolvi intervir:
- flavinha você sabe o que esta fazendo?
- n√£o exatamente, mas estou adorando sentir seu ‚Äúcorpo‚ÄĚ, estou toda formigando.
então ela abriu o jogo e falou da atração dela por mim, e da faze que estava passando, de como se interessava por meninos e o como estava descobrindo este lado da relação homem x mulher. perguntei se ela já havia visto um filme ou uma revista erótica, ela respondeu que já e que era sobre isso que ela e sua colega tanto conversavam, perguntei se ela gostaria de experimentar e ela apenas sacudiu a cabeça em um sinal positivo.
em nenhum momento ela parou de rebolar, j√° era um movimento quase involunt√°rio, meu bra√ßo que estava por baixo de sua cabe√ßa se dobrou por cima do umbro alcan√ßando seu seio, que delicia, ficava brincando com seu mamilo, variando entre apert√Ķes pegando seu seio inteiro, que cabiam na palma da minha m√£o, e caricias e leves belisc√Ķes em seu mamilo, desci minha outra m√£o passando pelo outro seio, massageando-o, at√© chegar em sua buceta, comecei a toca-la por cima da calcinha e logo a tirei jogando-a para baixo do banco, ent√£o iniciei uma masturba√ß√£o que a deixou em estado de loucura, entre fren√©ticas caricias em seu clit√≥ris e leves enfiadas de meu dedo a pequena se contorcia toda, com toda esta nova sensa√ß√£o a menina n√£o demorou a gozar, de repente seu corpo todo ficou mole, seus gemidos cessaram em um ultimo e abafado grito, seu corpo estava inteiramente arrepiado, foi um dos orgasmos mais intensos que j√° vi. ap√≥s ela se recuperar, pois havia quase apagado, se levantou conferiu se sua irm√£ n√£o tinha acordado com seus gemidos, buscou sua calcinha debaixo do banco e se enxugou. meu pau at√© agora permanecia guardado, enquanto ela se ajeitava eu me sentei, meu pau parecia que ia rasgar a cal√ßa, ela olhava fixamente e ainda ofegante pediu para ver, eu prontamente atendi o colocando para fora, ent√£o ela perguntou o que deveria fazer, explicou que apesar de j√° ter visto em uma revista n√£o sabia como era para ser feito. dando todas as instru√ß√Ķes a ensinei passo a passo, primeiro ela bateu uma punheta que apesar de sem jeito estava maravilhosa, logo ela mesmo se prontificou a chup√°-lo como havia visto na revista, expliquei como e ela, como se j√° fizesse isso a anos, fez um boquete fenomenal, chupava tudo, com certeza estava adorando sentir meu membro em sua boca, pois chupava e gemia, pedi para que ela continuasse mas que ficasse de quatro em cima do banco para que eu pudesse alcan√ßar sua buceta, quando toquei tive a certeza que ela estava adorando, sua buceta estava encharcada de chegar a escorrer, comecei enfiando um dedo e logo j√° enfiava dois, com o dedo m√©dio(pai de todos) pude sentir seu caba√ßo, enfia e tirava loucamente, ela j√° gemia alto, assim com medo de acordar sua irm√£ reduzi a velocidade e fiquei apenas brincando com seu clit√≥ris. estava tudo maravilhoso, aquela ninfeta me chupando e gozando feito louca comigo, mas poderia ficar melhor, e ficou, a iniciativa veio dela, envolta em prazer ela disse que queria perder a virgindade e aprender tudo comigo, fiquei orgulhoso com aquela deusa ninfeta se entregando para mim, querendo que eu fosse o primeiro em tudo. atendi seu pedido, a coloque sentada encostada na janela, levantei sua sainha, encostei meu pau na entrada e bem devagar foi introduzindo at√© sentir seu cabacinho, perguntei se estava doendo, ela disse que sim mas que era para eu continuar, resolvi dar uma forte estocada para que a dor passasse logo, senti seu caba√ßo se rompendo, ela soltou um forte grito, tenho certeza que nesta hora claudia acordou, passada a dor era s√≥ prazer e ela j√° voltava a gemer como uma putinha, a coloquei sentada no meu colo de frente para mim e ela instintivamente come√ßou a cavalgar, ficamos assim at√© que ambos gozamos juntos, e ela amoleceu deixando seu corpo sem vida sobre o meu. ficamos um tempo assim, abra√ßados, com meu pau ficando mole ainda dentro dela, nos recuperamos, ela se levantou, buscou sua calcinha que j√° estava ensopada e tentou se limpar. ap√≥s n√≥s nos recompormos, nos beijamos em um beijo quente e apaixonado, e voltamos nossas aten√ß√Ķes aos demais ocupantes da van, e tamanho foi o susto ao vermos que claudia nos observa com os olhos arregalados e a respira√ß√£o ofegante, ningu√©m deu uma palavra, n√≥s est√°vamos apreensivos com a rea√ß√£o de claudia, e cl√°udia parecia muito chocada para esbo√ßar qualquer rea√ß√£o. me preocupei com o motorista, mas este estava completamente distra√≠do com o transito e a musica alta, com certeza n√£o fazia nem id√©ia do que havia acontecido atr√°s dele.
flavia e claudia conversaram em casa, e no dia seguinte flavia veio me contar na hora do recreio que hoje teria uma surpresa na volta para casa, o que me deixou super ansioso para o t√©rmino das aulas, mas isto eu conto depois em ‚Äúna volta da escola 2 - a irm√ī
99% do relatado é verídico, a exceção são os nomes que são fictícios, por mais inacreditável e maravilhoso que seja, graças a deus, aconteceu!
Contato:
é necessário estar logado para enviar uma mensagem ao autor do Conto Er√≥tico. Registe-se, é gratuito.
nopic

Coment√°rios  

 
0 #1 Super Pauzudo 12-03-2014 00:45
Muito bom, parbens
Citar | Reportar ao administrador
 

Comentar


Código de segurança
Actualizar

Caminho:

√öltimos Coment√°rios

  • Gostei muito parab√©ns. Mais...
  • I do not –Ķven know how I stopped up –≥igh... Mais...
  • Que del√≠cia de conto, cara! Sou ativo, g... Mais...
  • Eu dava o troco cumeria a mulher dele o ... Mais...
  • gostei muito de vc quer csaar comigo mor... Mais...
  • cade a continua√ßao do conto Mais...
  • muito bom gostei Mais...
  • Moro em porto alegre e queria fuder com ... Mais...
  • Boa tarde LUCIANO. Que maravilha de HIST... Mais...
  • Continua√ß√£o? Mais...