Orgias - Um acidente delicioso - Contos Eróticos

Contos Eroticos

                   

Pesquisa R√°pida


Um acidente delicioso

Ver todos os Contos Eróticos de Mamy

Referência (ID): 1291
Estava nervosa, me sentei ao lado de uma mulher que me olhou com preocupa√ß√£o, ela percebeu que estava inquieta. A atendente havia pedido para que eu aguardasse na sala de espera e ali me sentei. N√£o havia percebido a beleza da mulher ao lado, peguei meu celular e olhei para ver se algu√©m havia mandado mensagem. Nada. Entrei na internet e logo abriu a p√°gina que eu estava navegando antes de tocar o telefone quando estava em casa. Um v√≠deo de um casal trepando na praia de Cape D¬īadge na Fran√ßa apareceu e o som encheu a sala quase vazia com um gemido enorme. Fui r√°pida, mas a mulher ao meu lado ouviu mas fingiu n√£o ter percebido.
Já era tarde, quase 2:30 da manhã, fazia 1 hora que haviam me ligado dizendo sobre o acidente do meu marido, já haviam me adiantado que ele estava bem porém teria que fazer uma pequena cirurgia na perna.
Há poucas horas atrás estava em casa vendo o vídeo de nossas próximas férias, uma praia no sul da França chamada Cape Dádge em que os casais transam abertamente nas areias e todos podem ver você foder e ficam se masturbando, estava excitada e minha buceta latejava quando tive que parar de ver para atender o telefonema. Agora estou aqui preocupada com a cirurgia do meu marido e com o tesão retraído por conta da notícia.
Me levantei quando a enfermeira chamou meu nome, ela me disse que estava tudo bem, que ele estava dormindo e que eu poderia ir ao quarto vê-lo mas ele ainda estava sob efeito da anestesia e só iria despertar em 3 horas.
Relaxei com a notícia e depois ao vê-lo bem no quarto.
Sai no corredor e dei de cara com a mulher que estava sentada ao meu lado na recepção, ela muito atenciosa me olhou e perguntou como estava meu marido, ela havia escutado sobre o acidente enquanto falava com a enfermeira.
Respondi que estava tudo sob controle e que ele despertaria em poucas horas, ela então sorriu pra mim e disse, seu celular tem um som bom, fiquei roxa de vergonha e ela continuou, não pude deixar de ouvir e ver a cena do vídeo. Fiquei extremamente constrangida e sem graça, ela percebeu e tentou aliviar a tensão do ar dizendo - relaxa, gosto muito de vídeos assim também e saiu andando para o quarto vizinho. Aquilo me deixou mais maluca ainda, uma mistura de preocupação com meu marido, tesão com o vídeo que estava assistindo e excitação com a sensualidade daquela mulher.
Antes dela entrar no quarto gritei, - qual seu nome? Ela respondeu olhando pra mim com um sorriso gostoso, - Vanessa, se precisar de algo estou aqui ao lado e entrou no quarto.
Estava confusa com os sentimentos e entrei no quarto onde meu marido estava, olhando ele na cama, me aproximei e dei um beijo em sua testa, ele parecia muito bem.
Me sentei ao seu lado e abri novamente o v√≠deo, desta vez com o som baixo, a primeira imagem que veio foi a de uma mulher de aproximadamente 45 anos de cabelos loiros e curtos deitada ao lado de um homem na paria que mencionei, ela estava segurando o pau dele e fazendo movimentos leves de masturba√ß√£o, ele estava deitado quando ela se sentou ao lado dele e encheu a boca com a rola dele dura. Minha buceta se encharcou na hora, ela chupava aquele cacete com um tes√£o que latejava at√© meu cu apertado. Passou para cima dele e enfiou a piroca na buceta coem√ßando a fazer movimentos no quadril de vai e vem. Em sua volta in√ļmeros banhistas totalmente nus sentados em suas esteiras assistiam a cena de maneira natural e em alguns casos mexendo no pau de seus companheiros ou eles dedilhando as xoxotas delas.
Vendo a cena no celular, me levantei e me aproximei do meu marido, peguei sua m√£o e coloquei por dentro do meu vestido, colocando a calcinha de lado esfreguei a m√£o dele na minha buceta molhada, fiquei ali por uns 5 minutos curtindo. Neste momento, uma enfermeira entrou e num movimento r√°pido tirei a m√£o do meu marido de minha buceta, a enfermeira chegou perto para uma r√°pida avalia√ß√£o e me olhou intensamente e disse, -sabe que tem c√Ęmeras no quarto? E continuou, vi o que estava fazendo, vim aqui para te ajudar. Eu estava muito excitada e j√° tinha tido alguma experi√™ncia com mulheres, ent√£o perguntei de que forma pode me ajudar, ela ent√£o saiu do quarto, mas n√£o antes de dizer que voltaria em dois minutos.
Voltou ao quarto e para minha surpresa estava acompanhada da mulher que eu havia encontrado na recepção, a Vanessa, elas eram amigas, a Vanessa era enfermeira particular de um senhor que estava internado, ela passava as noites no hospital como companhia do enfermo.
A enfermeira, que depois descobri que se chamava Claudia, colocou um aviso na porta de ‚Äún√£o entrar‚ÄĚ e colocou uma mesinha atr√°s dificultando a abertura da porta por fora.
Veio em minha direção e quando estava a um passo, abriu seu avental e me mostrou que estava totalmente nua, sem nada por baixo, a Vanessa também se aproximou e tocou meu cabelo perguntando, que vídeo era aquele que você estava vendo? Com certeza era uma boa foda.
Falei da praia no sul da França e que iriamos até lá nas férias de julho para deitar na areia e ver os outros fuderem ao nosso lado enquanto a gente se divertia com nossos corpos ao sol.
Ela quis ver o vídeo, e eu liguei meu celular e mostrei para as duas que já estavam loucas por conhecer a tal praia. Vanessa olhou para mim e disse, você gosta de ver sacanagem? Respondi que sim, então ela se aproximou da Claudia e começou a beijá-la na boca devagar, Claudia retribuiu e por sua vez e tirou o avental da Vanessa deixando aquele corpo magro e ao mesmo tempo sarado exposto, fiquei com inveja do corpo dela, mas me concentrei na cena das duas se tocando e se beijando. Olhei para o lado e vi meu marido dormindo sob efeito de sedativos, imaginei que ele adoraria viver aquilo comigo, então me sentei na cama ao lado dele.
Vanessa deixou a Claudia e se aproximou de mim, minha buceta j√° estava molhada quando ela levantou meu vestido devagar e com um leve toque colocou minha calcinha de lado, exatamente como eu havia feito com meu marido poucos minutos atr√°s. Eu estava encharcada, ela se abaixou e num movimento r√°pido abaixou minha calcinha, tive s√≥ que levantar o p√© para que ela terminasse o servi√ßo. Claudia tamb√©m se aproximou de mim e come√ßou a me beijar loucamente. Num instante j√° estava na poltrona ao lado que com habilidade foi reclinada pela Claudia e em segundos estava deitada com as duas encima de mim. Gente, como estas mulheres me chuparam, primeiro uma depois a outra alternadamente, quando uma estava na buceta a outra estava nos meus peitos. Estiquei a m√£o e toquei a buceta da Claudia que estava totalmente nua, senti um calor e meus dedos entraram com facilidade naquela xoxota. Claudia abriu uma gaveta e pegou um aparelho que nunca havia visto, parecia algo de laborat√≥rio, feito de vidro maci√ßo. Come√ßou a ro√ßar em minha buceta mas num instante me virou de quatro e enquanto a Vanessa chupava o cu da Claudia que estava encima de mim senti a l√≠ngua no meu cu e rapidamente aquele equipamento me arrombar, dei um pequeno grito de dor e ela colocou a m√£o em minha boca e disse para aguentar que logo ficaria gostoso, dito e feito, em segundos o instrumento se acomodou no meu cu e com movimentos de vai e vem senti aquilo entrando e saindo gostoso da minha bunda. Vanessa neste momento foi at√© a cama e se deitou encima do meu marido, abriu a pernas e deixou a coxa na sua buceta, por um instante me preocupei com a cirurgia mas enfim est√°vamos num hospital e ela era enfermeira. Com movimentos r√°pidos ela se masturbou na coxa dele esfregando a buceta com muita press√£o nos quadris, √† dist√Ęncia via seus movimentos at√© v√™-la gozar.
Claudia tirou a trolha do meu cu e me virou novamente, desta vez enfiou na minha buceta e com franqueza, adorei sentir aquele treco entrando em mim, em poucos movimentos de vai e vem e alguns toques sacanas no meu clitóris ela me fez gozar maravilhosamente.
Fiquei totalmente mole, Claudia olhou para mim e falou que aquilo era uma brincadeira de hospital, acontece quase todas as noites e que ela agora ela precisaria sair, ela queria gozar e tinha um paciente em um outro quarto com um pica enorme esperando por ela.
Confesso que pensei em ir junto só para ver a tal rola mas estava exausta e queria me recompor.
Vanessa já estava de pé depois de gozar na coxa do meu marido, olhou para mim e disse, boas férias me dando um selinho e já saindo do quarto.
Fiquei ali deitada sozinha por alguns minutos revendo tudo que havia acontecido, toquei meu clitóris e senti que a loucura tinha sido muito boa.
Na manhã seguinte, com meu marido já estava acordado tomando café da manhã e me explicando o que havia acontecido no acidente, imaginei toda a cena da sacanagem e me deu vontade de chupar o pau dele ali. Me aproximei e cai de boca, ele preocupado que alguém entrasse me disse, precisamos viajar logo para Cape Dadge, sonhei que você estava transando com as enfermeiras. Olhei pra ele e sorri pensando, será que ele ouviu ou sonhou?
O relato é real e a praia existe mesmo, basta dar busca na internet e verá onde passarei minhas próximas férias.
Contato:
é necessário estar logado para enviar uma mensagem ao autor do Conto Er√≥tico. Registe-se, é gratuito.

Comentar


Código de segurança
Actualizar

Caminho:

√öltimos Coment√°rios

  • Attractive section of content. I just st... Mais...
  • Hey There. I found your weblog using msn... Mais...
  • sinto tesao nos seios Mais...
  • tenho tesao nos seios quem que me chupa Mais...
  • Gostei muito queria chupar vc muito sua ... Mais...
  • Tamb√©m n√£o sou travesti mas adoro usar c... Mais...
  • √≥timo conto..sempre que leio fico puto d... Mais...
  • (quatro, sete) nove, dois, doze, meia, q... Mais...
  • √≥timo conto..sempre que escuto fico puto... Mais...
  • The Catholic missionaries and other reli... Mais...

Contos Eróticos Picantes no seu Email

Insira o seu Email:

Patrocinado por FeedBurner