Fetiche & Bizarro - imponderavel os disturbios do prazer 2 - Contos Eróticos

Contos Eroticos

                 

Pesquisa R√°pida


imponderavel os disturbios do prazer 2

Ver todos os Contos Eróticos de marlitesuda

Referência (ID): 1700
Eu estava atordoado e nem conseguia raciocinar direito , meus olhos estavam nublados eu sentia aflição eu nem me reconhecia . o que seria que estava por vir eu perguntava .
Ele se levantou em silencio foi para a sala deixando somente eu e ela na cozinha , sentados frente a frente . eu não conseguia falar nada, era como se eu tivesse perdido a fala. Ela estava com a cabeça baixa sem jeito de me encarar .
Ele voltou pegou uma cerveja na geladeira ficou atr√°s dela de frente para mim, ele tateava seu corpo , sorveu um grande gole.
Entao ele acariciava ela falando comigo olhando firme para mim.
- SUA FILHA √Č UMA PUTA SO TEM DEZESSETE ANOS MAS E UMA VADIA CHUPADEIRA DE CARALHO , UMA VERDADEIRA CADELA , DIZ PARA TEU PAI O QUE VOCE √Č
- PUTA EU SOU SUA PUTA VOCE QUEM ME TRANSFORMOU NESTA PUTA, ME COME VEM ME COME OLHA OLHA PAI VEJA ELE FUDER A SUA FILHINHA PUTINHA.
Eu dei um grito estridente Carol estava peladinha deitada sobre a mesa com as pernas abertas ele esfregava o enorme pau na sua rachinha .eu abrira o zíper da minha calça me punheta e chorando eu conseguia implorar.
FODE ELA FODE ELA.
Eu estava embevecido vendo aquele monstro entrando nela , eu olhava admirado vendo ele desaparecer dentro dela eu questionava em voz alta.
- COMO CABE COMO ELE CABE TODO DENTRO AI QUE DELICIA,
Ele começou a bombear forte entrando e saindo dela que alucinada se contorcia urrando como uma loba no cio , uma gosma branca lambuzava a pica preta dele deixando ela lubrificada com seus próprios sucos facilitando ainda mais a penetração .
Eu tinha pouca experi√™ncia sexual mas as contra√ß√Ķes do rosto dela a respira√ß√£o entrecortada o suor abundante pelo seu corpo seus gemidos chorosos os tremores que percorria suas entranhas demonstravam os orgasmos seguidos que ela estava tendo seu gozo era abundante ,e seu choro compulsivo era de prazer.
Ele acelerou seus movimentos castigando sua bucetinha era o que se diz literalmente ela levava uma surra de pica. Carol parecia estar possessa sua cabeça girava de um lado para outro ate que ela sentiu os jatos de porra dentro dela .
Ele continuava a estocar fazendo ela estrebuchar como se estivesse tendo um ataque epil√©tico , eu nem saberia dizer quantas vezes eu gozei me masturbando . ela parecia estar possu√≠da seus olhos estavam arregalados suas convuls√Ķes, parecia terem deixado ela em transe.
ele então tirou o pau todo melado de dentro dela apertou seu pescoço ate ela ir ficando roxa , ele estapeou seu rosto desferindo tapas seguidos nele ate ela esmorecer e ficar desfalecida sobre a mesa e aos poucos a respiração dela foi se normalizando. Eu peguei meu bebe no colo e levei para tomar um banho.
Bem sei que tudo isto e uma anomalia, mas quem j√° sentiu estas sensa√ß√Ķes pode dizer algo sobre esta loucura , t√£o fora dos padr√Ķes √©ticos . e que dificilmente a vida poder√° reunir tr√™s almas insanas como as nossas.
Muitas coisas aconteceram nas nossas vidas , cada um de nos tinha desejos bestiais era como se um completasse o outro.
Carol com aquele jeito fr√°gil era muito mais forte do que se possa imaginar, aquela menina pequenina me deixava encantado , suportando aquele falo enorme que penetrava sua bucetinha, que empalava sua bunda . e um misto de dor e prazer se estampava no seu rosto . e seus gemidos roucos seu choro compulsivo era uma mistura de dor e prazer.
O acontecimento daquele domingo era a comemoração dos dezoito anos de Carol. Logo na hora do almoço foi chegando os convidados e bebida e churraco a beira da piscina.
Carol estava acabando de se aprontar, eu fiquei admirando sua boquinha carnuda seus labios vermelhos carregados por um baton bem forte, vestida como eu a vi pela primeira vez naquele baile funk, sortinho jeans minusculo bem apertado com o ziper aberto , sua bocetinha estava toda depilida lizinha as polpas da bundinha a mostra os seios denudos somente os biquinhos cobertos por uma tarja preta feita com fita isolante em forma de um xis .
Eu sentia pau pulsar imaginando os olhares gulosos que ela iria despertar nos amigos do theo que se divertiam a beira da piscina.
Descalça ela camimhou para o abate . minha menina resoluta estava indo se entregar para sete machos, na sua primeira suruba.
CONTINUA............
Contato:
é necessário estar logado para enviar uma mensagem ao autor do Conto Er√≥tico. Registe-se, é gratuito.
Caminho:

√öltimos Coment√°rios

  • Claro que tens de contar mais e todos os... Mais...
  • oi sou casado mais sempre curti cumer ma... Mais...
  • muito obrigada Ana Moreira, n√£o tenhas d... Mais...
  • Adorei estes relatos. Sei muito bem o qu... Mais...
  • Esse conto √© uma com√©dia kklk Mais...
  • √≥timo conto..sempre que leio fico puto d... Mais...
  • PARAB√ČNS eu t/b tive que ter muito traba... Mais...
  • √≥timo conto..sempre que leio fico puto d... Mais...
  • Parab√©ns pelo relato volta p/ ele j√° que... Mais...
  • Caramba que delicia! Gozei s√≥ me masturb... Mais...

Contos Eróticos Picantes no seu Email

Insira o seu Email:

Patrocinado por FeedBurner